Clique e veja agora

24/09/2019

AGORA É DOENÇA: Doença deixa pessoas com obsessão por coisas fitness.

Dentre os sintomas da doença, uma característica da condição é o indivíduo levar sua própria refeição ao sair de casa, caso contrário não se alimenta (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil/Ilustração)
Se você vive contando calorias, não tira da cabeça o que comeu ou deixou de comer, não compra nada sem estudar todo o rótulo, ou fica sem comer porque não tem nada saudável, tenha muito cuidado, pois você pode está sofrendo da doença ortorexia, conhecida como ‘obsessão fitness’.


Segundo a nutricionista Débora Pinheiro, diferente do que ocorre com os casos de bulimia e anorexia, a ortorexia não busca essa preocupação com a imagem que está refletida no espelho, mas a única preocupação se dá em consumir alimentos tidos como puros e corretos.

“A ortorexia é uma fixação por alimentação em que a pessoa afetada passa horas pensando sobre o assunto, lendo rótulos de alimentos e na escolha do que ingerir. As restrições levam ao consumo de uma variedade cada vez menor de alimentos. Assim, ocorre a carência de algumas vitaminas e o excesso de outras. A busca incansável pelo ‘mais saudável’ torna-se uma maratona sem fim e sem recompensa”, disse a nutricionista.

Dentre os sintomas da doença, uma característica da condição é o indivíduo levar sua própria refeição ao sair de casa, caso contrário não se alimenta. Outro ponto marcante é o isolamento durante as principais refeições, além de evitar confraternizações.

“Doenças relacionadas às carências nutricionais, como anemia e avitaminose. Essa exclusão de determinados grupos alimentares da dieta são exemplos de problemas de saúde que podem ser desenvolvidos em decorrência da fixação por alimentos saudáveis”, disse Débora.

A médica sugere que o tratamento contra o problema ocorra de forma multidisciplinar, ou seja, com mais de um especialista no acompanhamento. “O tratamento é multidisciplinar, no caso o nutricionista com o psicológico, trabalhando dietas menos restritivas e educando o paciente para que não se sinta engessado no plano alimentar”.

Fonte: Portal Correio

Nenhum comentário:

Postar um comentário